Semana Griô Brincante

A Semana Griô Brincante é um evento criado pelo grupo, que homenageia e celebra a arte popular, proporcionando o intercâmbio entre artistas, pesquisadores, estudantes e o público em geral.

De 18 a 26 de setembro de 1999, a SEMANA BRINCANTE propôs atividades lúdicas, debates, workshops, apresentações que valorizaram o teatro não-convencional e as expressões da cultura e da arte popular. O evento foi promovido pela escola de teatro da UFBA e o CRIA-Centro de Referência Integral de Adolescentes e produzido pelos integrantes do Grupo Griô Brincante, oriundos do NPPAC -Núcleo de Pesquisa e Prática da Arte do Clown. O evento teve como uma das atrações o clown André Casaca. Houve o debate “As artes Brincantes” que contou com a participação de outros artistas como Lydia Hortélio, Anselmo Serrat, Maria Eugênia Millet e Eliene Benício. No pelourinho a saída de palhaços, invadiu as ruas do centro histórico transformando-as num grande picadeiro e uma grande festa no Circo Picolino encerrou as atividades com circo, dança, teatro e música.

Já em 2000 a SEMANA GRIÔ BRINCANTE invadiu as ruas de Ilhéus, a Universidade Estadual de Santa Cruz, o Teatro Municipal de Ilhéus e espaços alternativos, como a Casa dos Artistas; levando grupos e artistas com trabalho reconhecido internacionalmente como o Grupo Lume de São Paulo, com os espetáculos, “Cravo, Lírio e Rosa”,  “Café com Queijo”  e “ La Scarpetta” e a oficina de mímesis corpórea; Ana Maria Amaral, da USP com palestra e oficina  para manipulação de máscaras,  bonecos e objetos; Lydia Hortélio da UFBA com oficina e palestra sobre música da cultura infantil; Carlos Petrovich da UFBA e Vanda Machado do Ilê Axé Opô Afonjá com vivência e palestra sobre o Griô e a cultura afro-brasileira. O Grupo Griô Brincante, com a oficina de técnicas circenses e do teatro de rua e  “Saídas de Palhaço” pelas ruas da cidade. Além de artistas e grupos locais que reuniram-se num grande cortejo popular, com palhaços, pernas-de-pau, cuspidores de fogo, malabaristas, acrobatas, fanfarra e o  povo que se integrou ao cortejo, celebrando o encerramento do evento inédito para a cidade.